Abradisti

Contato
  • News Context: A Demanda das Placas de Vídeo e a Mineração de Criptomoedas

    Por Abradisti em 05/06/2018 12:06:17

    Somente no primeiro trimestre desse ano, as vendas de placas de vídeo, na Rússia, aumentaram mais de 250%. Mas isso não tem só a ver com os jogos; e sim com a mineração de criptomoedas

    Será que a Rússia se tornou uma nação de fanáticos por jogos? Se você olhar os números do painel da CONTEXT, pode parecer que sim: somente no primeiro trimestre desse ano, as vendas de placas de vídeo cresceram 250%. É um aumento de €8 Mi para mais de €34 Mi, o que coloca os russos em segundo lugar na Europa atrás da Alemanha.

    Realmente, as melhoras na performance e as novas funcionalidades chamaram a atenção dos consumidores. Eles esperaram por um longo período para trocar seus modelos de placas, por exemplo. E isso certamente ajudou no resultado.

    Mas, acredite, os jogos não são tudo.

    Uma revolução de cripto-mineração

    As placas de vídeo são, certamente, muito importantes para os jogos de PC. Por outro lado, o que nem todo mundo sabe é que elas são vitais para a mineração de criptomoedas.

    Sendo assim, vamos voltar ao começo: você saberia dizer qual país está abraçando a mineração de criptomoedas com grande entusiasmo? É isso mesmo, a Rússia.

    A verdade é que a mineração de moedas digitais é uma tarefa intensa e requer bastante consumo de energia tanto para o funcionamento dos computadores quanto para o resfriamento das máquinas.

    De fato, globalmente a mineração já consome a mesma quantidade de energia elétrica que a Dinamarca (33TWh), de acordo com um relatório recente, da Digiconomisti, consultoria europeia especializada no mundo digital.

    O clima frio da Rússia, nesse cenário, é uma grande vantagem; além da energia barata que forma o ambiente ideal para implantação de fazendas placas de vídeo para mineração de criptomoedas.

    Em um giro rápido pela internet, por exemplo, encontramos uma Startup Francesa para que criou um aquecedor residencial baseado em um computador de mineração de criptomoedas.

    Mineração de criptomodedas ainda vai crescer mais

    A mineração não está apenas com empresas privadas e empreendedores com olhar para o dinheiro rápido. O Sberbank, um banco estatal russo, recentemente admitiu ter comprado um grande número de placas de vídeo, até mesmo se desculpando por ter causado aumento no custo dos produtos que acabaram dobrando de preço em razão da demanda gerada.

    E a Rússia não está sozinha nisso.

    Para inchar seus cofres, a Coréia do Norte também está investindo recusrsos significativos em operações para contornar as sanções internacionais – infelizmente, porém, seu foco é na implantação de botnets (vírus ou malwares implantados em computadores e controlados sem o conhecimento do dono) para mineração sem o consentimento do proprietário.

    O que podemos tirar disso tudo é que a maior parte do Mercado Europeu mostrou um aumento de três dígitos nas receitas de vendas de placas de vídeo, seguido da valorização do mercado de criptomoedas. E como os fabricantes estão respondendo?

    A resposta dos fabricantes

    Em 2017, vimos o lançamento de novas “mining” series, com placas de vídeo feitas para essa nova aplicação. O interesse nesses itens, contudo, tem desapontado um pouco, principalmente porque elas não acompanham o crescimento dos modelos padrão para jogos.

    É preciso dizer que esse resultado não é igual em qualquer lugar do mundo. Afinal, algumas variáveis devem ser consideradas, antes de se colocar foco nas vendas para esse novo mercado.

    O custo de energia elétrica, por exemplo, é o fator principal – e, no geral, o Brasil fica na média com US$ 6.740,00 para gerar um Bitcoin. Na Rússia e na Islândia fazem a mesma operação ao custo médio de US$4.750,00.

    Será interessante ver como o mercado se desenvolve esse ano. As regulamentações estão sendo criadas e o capital institucional dos bancos e fundos está chegando.

    Os fabricantes de placas de vídeo acreditam que ainda não têm o modelo ideal para mineração e ficaram desapontados com o baixo impacto que causaram na primeira tentativa. Tecnicamente, o foco deve estar na relação capacidade de operação versus o consumo de energia elétrica.

    Alguns vão argumentar que não se deve mudar uma fórmula vencedora, mas de qualquer forma devemos ver mais esforços - pelo menos de marketing -  específicos para os modelos de mineração junto com a valorização do mercado de moedas digitais.

    Por Lucas M Porto

    CONTEXT World

    Abradisti apresentação online

    Compartilhe:

    deixe seu comentário

    Assine Nossa News


    Assine nossa newsletter e receba novidades diretamente em seu e-mail